Páginas

domingo, 16 de agosto de 2009

Três anos América Vermelha - FINAL !








Como começar este texto foi nossa dificuldade. O dom de escrever não consegue ser no mínimo parecido com a lágrima que escorre da face de qualquer colorado sempre que vemos ou lembramos 16 de agosto. Tudo que foi passado e percorrido teria que ser confirmado na noite chuvosa daquela quarta feira. Uma quarta feira histórica e 90 minutos de emoções intensas vividas por todos aqueles que têm o vermelho e branco correndo nas veias, e alegrias eternas depois do apito final. Apito final que demorou a acontecer não é Ani?

E como! Demorou 97 anos para os corações colorados, anciosos, escutarem aquele apito final. Uma história de luta, que há 26 anos não chegava à batalha final. Eis que chega o dia do combate. Para todos, o jogo que decidiria a vida de uma nação aflita, sedenta da América. Amanhece o dia em Porto Alegre e, junto com a aurora e com aquela chuva, os colorados se preparavam para a noite mais feliz de suas vidas. Todos confiavam, mas ainda teríamos um adversário cruel na nossa frente e um passo em falso poderia acabar com o sonho vermelho e branco. Muita aflição, Jonathan?

Aflição que era trocada por gritos e cantos da nação vermelha nos 4 lados do mundo. Aquela quarta-feira, digna de levantar taça, começou em si para nós, às 21h50min. Tudo parou quando os paulistas foram para o primeiro ataque e Eller mostrou com um carrinho, que aqui, quem ataca é o vermelho. A regra da noite era não ter bola perdida. E numa dessas que gritamos GOL. O mesmo Eller se aproveita da falha de Rogério Ceni, e no tumulto da área, sobra pro capitão colorado, que não desperdiça e manda no fundo dos "cordéis da cidadela tricolor". E agora tchê? Bandeiras coloradas tremulam em todos os lados. Tava “dimaaaaaais”, não é Ani?

Tudo estava dimaaaaaais até então: no placar geral estávamos vencendo com um placar de 3 a 1; tínhamos um verdadeiro inferno instalado no Beira Rio; o time adversário precisava sair pro ataque. Tudo estava se encaminhando para a realização daquilo que havia se tornado legado para todos nós. Mas você já viu alguma vitória sem luta, Jonathan? O colorado das glórias, que já tinha enfrentado tanta coisa para estar onde estava, ainda teve que engolir à seco o gol do Fabão aos 5 minutos. O jogo se tornara eletrizante, e todos os milhões de colorados não pararam de cantar, lutar e apoiar. O êxtase veio com aquele gol de Tinga, que nunca esqueceremos. Bola na rede, GRITAA torcedor! Internacional, guerreiro, está conquistando valentemente a AMÉRICA. Mas ainda passaríamos por mais alguns sustos, não é Jonathan?




É minha querida, e o susto veio logo em seguida. Por comemorar levantando a camiseta, o nosso 7 tomou o segundo amarelo, e em seguida o vermelho. Agora sim... A aflição, o medo e o nervosismo pairavam na cabeça de todos. Mas nem o empate dos paulistas quase no final do embate nos tirou o que desde a manha do dia 16 já era nosso. Acabou! Acabou! O Inter crava a bandeira colorada no topo da América. A alegria e a emoção ruge em nossos corações! Um título para a massa colorada, para Falcão, Bodinho, Tesourinha, Escurinho, Lucio, Fabiano, Dunga, Librelato, Tinga, Sóbis, Fernandão. E mais tantos que vestiram o manto vermelho. SOMOS CAMPEÕES DA AMÉRICA!! Mas todos sabem que não ficou por aí... Mas isso fica pra dezembro =)













por toda equipe do Nação GIGANTE