Páginas

quinta-feira, 2 de julho de 2009

Não se entregar

Nada que for escrito aqui diminuirá a tristeza e o ressentimento da massa vermelha nesta manhã fria de quinta. O choro de ontem a noite não foi bem o choro que todos esperavam.

Gol do Dunga, gol de Mahicon Librelato, gre-NAL perdido, festa na América, dono no mundo. Tudo isso e mais um pouco passou na minha cabeça em menos de 1 segundo. Não estava prestes a morrer caro leitor. Mas a sensação era a mesma. Levar dois gols e ser pressionado no 1º tempo, ainda mais no Gigante? Batia no meu rosto. Aquilo não podia ser verdade.

Estava eu, meu pai e mais alguns amigos num bar de colorados aqui no centro da minha cidade. Em pouco tempo, o recinto já estava lotado. Músicas da nossa torcida eram destoadas pela nação que se encontrava lá, levando forças para os guerreiros que estavam no Beira Rio. Mas acho que não chegou. Novamente, em 45 minutos, não vimos o que é caracteristica do futebol gaúcho, RAÇA. Alguém viu um carrinho e a torcida gritando como aquele de Fabiano Heller em 2006, amedrontando os paulistas?

Futebol mediocre, o time corinthiano se postando muito bem e sem erros de arbitragem. Fim de 1º tempo, 2 a 0 contra e tendo que fazer 1 gol a cada 9 minutos no 2º tempo. Intervalo de jogo, e muitos colorados vão embora do bar. No momento que precisavamos de apoio, eles foram embora. Meus olhos já estavam cheios de lágrimas. Olhava para Wronski e não acreditava. Por que?

Segundo tempo e nada. Parecia que ia ficar naquele placarzinho nojento, mais uma derrota. Mas um pouco de RAÇA e GARRA começou a chegar na Padre Cacique. Pior que perder, é perder se entregando. E isso não fez o time colorado na segunda metade da partida. Empatamos o jogo, com direito a briga e tudo. Talvez essa briga que não podia ter acontecido. Mas D’Alessandro deve ter tido seus motivos.

Lá naquele bar, apoiamos o time. Gritei muitas vezes sozinho. Sem voz nesse momento, e com muitas lágrimas nos olhos. Há muito não perdíamos uma decisão. Mas tudo tem a sua hora. E coisas más, às vezes preparam coisas boas. Em 2006 perdemos um gre-NAL em pleno Beira Rio. Mas todos sabem o que aconteceu depois.

Vamos aprender com os erros, aprender com as derrotas. Foco total no Brasileiro. Pedimos a ti INTER, que não se entregue como fez nos primeiros 45 minutos de ontem. Seja guerreiro, e mostre para todo Brasil que és Gigante.