Páginas

sábado, 18 de julho de 2009

Obrigado querido pai

Numa rápida conversa com um co-irmão ontem à noite, variando com palavras de baixo calão e as ofensas mais adeptas a uma véspera de greNAL, teve um momento que o amigo me chamou de filho. Pois bem. Logo após ele saiu do MSN e comecei a refletir sobre o que ele disse. Filho. Hum. Pelo fato de ser mais velho talvez. Chego à conclusão que somos filhos mesmo.

Todos nós sabemos que nosso “pai” venceu algumas batalhas no passado. Porém, passou o tempo e hoje está velho e acabado. Sua espada não corta mais como antes. Nunca soube usar a humildade. Sua arrogância o fez estar como está hoje. Vive apenas do passado, e nenhum dos seus soldados sabe admitir isso.

Antigamente, ficávamos apenas no jardim da casa. Esperando nosso “pai” voltar das suas trajetórias. Muito obrigado querido “pai”. Enquanto você ia e voltava cada vez mais arrogante, nós filhos, estávamos em casa, afiando a nossa espada e mostrando o poder de ser humilde. Hoje, somos diferentes de você “papai”. Respeitamos os adversários e os derrotamos com o suor de quem trabalha e usa a espada da humildade para cortá-los.

Agradecemos por ser diferente de você. A maioria das vezes que nos enfrentamos, nós meros filhos e MORTAIS derrotamos o dito imortal. São 23 confrontos de diferença e estamos na véspera de mais um enfrentamento. Novamente, usaremos a espada da humildade e ouça querido velho: Se fores digno de nos derrotar, apertaremos a sua mão e mostraremos que a Academia do Povo é digna e sabe mostrar quando não foi feliz em uma batalha. Mas se acontecer o que a massa vermelha e branca espera que aconteça, pedimos que o senhor aceite a derrota e demonstre ao menos uma vez, que foi novamente infeliz.

“Muitas vezes um filho se torna maior e melhor que o pai”