Páginas

quinta-feira, 23 de julho de 2009

O que esperar?

Alguns minutos refleti sobre o que escrever para o que vimos no Beira Rio. Necessariamente no segundo tempo. É... O segundo tempo. Cinco dos últimos seis gols tomados foram no segundo tempo. CINCO! Poxa, se é f* perder greNAL, e mais f* um empate em seguida, EM CASA, do jeito que foi.

Pior é saber que depois da partida, não temos uma voz forte pra gritar no vestiário. Temos um padre, que provavelmente trará vinho e hóstia numa possível saída de Nilmar. Em sua coletiva, disse que aceita as criticas. Só o que faltava não aceitá-las... tsc tsc.

Pedimos, imploramos por algo novo. Por que o time nos ilude no 1º tempo, e no segundo cai de produção de uma forma inexplicável? Foi assim contra o Atlético-PR, contra o Fluminense, no greNAL e hoje. Nada, nada explica. Crise interna? Jogadores indo pra baladas? Missa do padre está durando mais de uma hora? Sei lá. A certeza é que tudo está errado. A posição no Brasileiro talvez seja apenas uma ilusão. Uma miragem, que os dirigentes (que já nos deram muitas alegrias, é verdade) sabem que não é real, mas por algum motivo custam a acreditar.

Um caso a parte hoje, foram as substituições feitas. D’ale no lugar de Sandro (???), Giuliano no lugar de Andrézinho (¬¬’) e Taison no lugar de Índio (@$#!%??). Substituições de alguém que já perdeu a convicção do seu trabalho ou que planeja ir pra rua. Se for a segunda opção, talvez seja tarde demais, já que os comandantes à altura do colorado estão empregados. Não vejo ninguém livre no mercado, e trazer aposta em um momento como esse, seria complicado.

Pois bem. Não queremos mais problemas, queremos soluções. De que adianta ter mais de 100 mil sócios, se no campo o time não corresponde? Chega de desculpas esfarrapadas, DVDs e coisas que desagradam meio mundo.

Sem mais.